Foto de capa Lucratividade e rentabilidade, conceitos básico

Lucratividade e rentabilidade, conceitos básico

Um dos principais objetivos da empresa é gerar lucro, entretanto, o lucro precisa ser comparado com o volume de investimentos realizados para obtê-lo. Mesmo em instituições denominadas sem fins lucrativos, como associações, filantrópicas ou não, existe a necessidade de resultados positivos para que continuem exercendo sua atividade fim, ainda que nesses casos o lucro deva ser revertido em sua totalidade em benefício da associação. Por exemplo, uma empresa sem fins lucrativos e que presta assistência a determinada parcela da população, pode aumentar o número de pessoas atendidas se obtiver resultados melhores, ou seja, seu resultado deve também apresentar lucro como qualquer outra empresa, que possa ser reinvestido em suas atividades fins. Portanto, independentemente do tipo de empresa constituída, ela deve buscar sempre a geração de lucro.

É bastante comum, ao se analisar o lucro de uma empresa, a confusão entre dois conceitos: lucratividade e rentabilidade. Muitos empresários falam de rentabilidade do seu negócio, pensando em lucratividade, quando, na realidade, são dois conceitos distintos.

Consultando o dicionárioweb da língua portuguesa verificamos que a palavra lucratividade deriva de lucro, enquanto na rentabilidade, a origem é outra: vem da palavra renda.

As atividades empresariais são voltadas essencialmente para a consecução do lucro. O lucro ou prejuízo de cada período resulta da confrontação de receitas e despesas. Isoladamente o lucro apenas indica o excedente das receitas sobre os custos e despesas incorridos, Embora tais informações tenham validade, ao compararmos o lucro com o investimento realizado, obtemos uma medida de remuneração dos recursos, que nada mais é que a taxa de rentabilidade.

Para uma melhor clareza de conceitos tomemos o seguinte exemplo: Uma pessoa investiu em uma empresa a importância de R$ 500 mil. Obteve um faturamento de R$ 100 mil e um lucro líquido de R$ 50 mil. Dessa forma, a lucratividade da empresa foi de 50%, ou seja, o lucro líquido dividido pelo faturamento (receita de vendas). Por outro lado, a rentabilidade do investimento foi de 10%, ou seja, o lucro líquido dividido pela importância investida.

Segundo Wernke (2008), os indicadores de Lucratividade auxiliam o gestor financeiro a avaliar o desempenho empresarial em relação à geração de lucros e os indicadores de Rentabilidade demonstram o retorno proporcionado pelos investimentos realizados na empresa.

Em síntese: enquanto a lucratividade demonstra se o empreendimento é lucrativo, a rentabilidade demonstra se foi viável economicamente o emprego do capital no negócio e de quanto foi esse rendimento.

“Afirmar que a General Motors teve um lucro de, digamos, cinco bilhões de reais, no ano 2XXX, e que a empresa Descamisados Ltda. teve um lucro de duzentos mil reais, no mesmo período, pode impressionar no sentido de que todo mundo vai perceber que a General Motors é uma empresa muito grande e a outra muito pequena, e só, não refletirá, todavia, qual das duas deu maior retorno relativo.” (IUDÍCIBUS).

É importante, portanto, que possamos relativizar o lucro de uma empresa em relação a seu retorno esperado. Em outras palavras, a simples informação do lucro de uma empresa, isoladamente, não nos dá parâmetros para decisões. Ao relativizar-se o lucro estabelece-se o conceito de rentabilidade. Podemos conceituar a rentabilidade como sendo o grau de êxito econômico obtido por uma empresa em relação ao capital nela investido. (BRAGA, 1989).

Através dos índices de rentabilidade podem se avaliar aspectos das relações entre o lucro e os investimentos que foram feitos na empresa, podendo concluir sobre sua solidez, fornecendo dados que venham a corroborar, juntamente com outros indicadores, com a capacidade da empresa em manter ou não sua capacidade produtiva e dar a dimensão real desses lucros dentro das atividades da empresa.

Em outras palavras: O investimento só passa a ser compensatório se não existir no mercado uma alternativa de investimento, com maior rentabilidade, com o mesmo risco. Daí a importância da comparação da empresa, isoladamente, com a rentabilidade média do setor.

Essa análise da rentabilidade do negócio, entre outros fatores, pode ser decisiva para um planejamento estratégico que promova a adequação da empresa a uma média do setor, ou mesmo para se chegar à conclusão de que o negócio não tem a rentabilidade esperada frente a outras possibilidades de investimento existentes no mercado.

Entendida a diferença entre Lucratividade e Rentabilidade? Em um próximo artigo analisaremos os diferentes índices de lucratividade e rentabilidade e como se relacionam para avaliação abrangente do negócio sob o ponto de vista financeiro.

Por Mario Capp
Sócio da M&W Gestão Financeira para Escolas e Educa Contábil, foi diretor em grandes grupos educacionais nas áreas pedagógicas e administrativa, tais como: Pueri Domus e Rede Jesuíta de Educação, Pós-graduado em Administração de Empresas – Fundação Getúlio Vargas(FGV), MBA em Gestão Financeira, Controladoria e Auditoria – Fundação Getúlio Vargas, Consultor e palestrante.